Alguns dos principais nomes do país confirmaram presença na principal prova de rua da América Latina, com destaque para Giovani dos Santos, quarto no ano passado, e Tatiele de Carvalho, sétima em 2016.

Andreia Aparecida (e) e Tatiele Roberta (d), brasileiras, durante chegada feminina da 92ª Corrida Internacional de São Silvestre 2016, em São Paulo. 31/12/2016, Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

A largada no domingo, a partir das 8h20, será na Avenida Paulista, altura da rua Frei Caneca, e a chegada em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero.

Principal nome masculino do Brasil na prova, o mineiro Giovani dos Santos chegará mais uma vez como esperança de vitória nacional, o que não acontece desde 2010, quando Marilson dos Santos garantiu o topo do pódio. Giovani, que garantiu um lugar no pódio nas últimas seis edições, vem embalado pelo hepta na Volta Internacional da Pampulha, no começo do mês, e promete dar trabalho para os estrangeiros.

Outros nomes fortes no masculino serão Franck Caldeira, campeão em 2006, Wellington Bezerra, bicampeão do ranking da CBAt e quarto na Maratona de São Paulo 2017, Gilberto Lopes, vice na Eu Atleta 10K Rio 2017, Valério Fabiano e Éderson Pereira, entre outros.

Já entre as mulheres, as atrações serão Tatiele de Carvalho, melhor brasileiro no ano passado, Joziane Cardoso dos Santos, campeã na Pampulha em 2014 e da Eu Atleta 10K Rio deste ano, Andréia Hessel, terceira na Meia de São Paulo e na Eu Atleta 10K Rio, e quinta na Maratona de São Paulo, todos neste ano, e Adriana Aparecida Silva, vice-campeã da Meia Maratona de São Paulo 2017.

Retirada de kits

Serão quatro dias para a retirada de kit, que acontecerá mais uma vez no Ginásio Mauro Pinheiro, localizado na Rua Abílio Soares, 1300, no Ibirapuera. Não haverá entrega no dia da prova, nem mesmo depois da mesma, como conta no regulamento.

Os horários são os seguintes: dias 27, 28 e 29, das 9h às 19h, e no dia 30, das 9h às 16h. Os organizadores pedem a colaboração dos atletas que residem em São Paulo e na Grande São Paulo para que retirem seus kits até o dia 29, deixando o dia 30, sábado, véspera da prova, para os corredores do interior e de outros estados. Isso evitará as filas e a demora para a retirada.

Percurso

O percurso deste ano teve ajustes para aumentar a área de dispersão. O primeiro deles é na largada, que será próximo à Rua Frei Caneca, à frente do local do ano passado. O outro foi no Centro, na região do Largo o Arouche. Saíram do percurso as ruas Sete de Abril e Dr. Bráulio Gomes. O percurso de 15 km foi implantado em 1991.

As ruas e avenidas que fazem parte do percurso deste ano são as seguintes:

Largada – Av. Paulista (F) x Rua Augusta
Av. Dr. Arnaldo (F)
Rua Maj. Natanael (CF)
Rua Des. Paulo Passalaqua (F)
Av. Pacaembu (CF)
Viaduto Gal. Olímpio Silveira: passagem (F)
Av. Dr. Abrahão Ribeiro (F)
Av. Norma Giannotti (F)
Av. Rudge (F)
Viaduto Orlando Murgel (F)
Av. Rio Branco (F)
Av. Ipiranga (F)
Av. São João (F)
Al. Barão de Limeira (F)
Av. Duque de Caxias (CF)
Rua Rego Freitas (CF)
Rua Gal. Jardim (CF)
Rua Bento Freitas (CF)
Largo do Arouche (F)
Av. Vieira de Carvalho (F)
Praça da República (F)
Av. Ipiranga (CF)
Av. São João (CF)
Rua Cons. Crispiniano (CF)
Praça Ramos de Azevedo (CF)
Rua Xavier de Toledo (CF)
Viaduto Nove de Julho (F)
Viaduto Jacareí (F)
Rua Santo Amaro: troca de mão (F)
Rua Maria Paula (F)
Av. Brig. Luis Antônio (F)
Av. Paulista (F)
Chegada: Av.Paulista, 900

F – Fluxo
CF – Contrafluxo

Dinâmicas

Haverá monitoramento de acesso à área de largada pela Alameda Santos e Rua São Carlos do Pinhal: Elite, Rua Frei Caneca, Setores Azul e Amarelo, Alameda Ministro Rocha Azevedo, Setor Vermelho, Rua Peixoto Gomide e Rua Plínio Figueiredo, Setor Cinza, Alameda Casa Branca -, comunicação visual nos postos de água e filtragem na chegada. A dispersão será a partir da Rua Joaquim Eugênio de Lima até a Alameda Casa Branca. Todas as áreas serão restritas a corredores oficialmente inscritos e usuários locais.

O Comitê Organizador pede gentilmente que atletas sem inscrição não compareçam, pois não há como dimensionar os serviços e o consumo excessivo pode gerar a falta de serviços e hidratação para os inscritos. E destaca que essas dinâmicas estão sendo implantadas para melhor atender aos atletas inscritos oficialmente.

A infraestrutura do evento é dimensionada para o número oficial de inscritos, cerca de 30 mil, não contemplando serviços a atletas sem inscrição (“pipocas”). Serão sete postos de água, um a mais que no ano passado, com volume para atender somente aos inscritos. Como consta em regulamento, não haverá serviços extras e hidratação excedente para atletas sem inscrição.

A 93ª Corrida Internacional de São Silvestre é uma realização da Fundação Cásper Líbero, com promoção da Gazeta Esportiva, e transmissão da TV Gazeta e TV Globo. O patrocínio é do Bradesco e Motorola, com apoio do Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura de São Paulo. A supervisão é da IAAF, CBAt e FPA.

Veteranos na São Silvestre, ex-fumantes exaltam importância da corrida em suas vidas

Com quase 63 anos, Zanelato quer correr pelo mais 7 na São Silvestre (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Quatro anos é a diferença de idade entre Edson Cipó e Carlos Benedito Zanelato. Quatro é também o número de participações que Cipó, aos 59 anos, e Zanelato chegam este ano na 93ª Corrida de São Silvestre. Mais um aspecto une ambos os atletas: a antiga prática de fumar.

Perguntados sobre a importância do esporte em suas vidas, tanto Cipó, quanto Zanelato fazem questão de destacar a prática esportiva, em especial a corrida, como fator preponderante na superação do cigarro.

“Tenho o hábito de correr a 30 anos. Troquei o hábito do cigarro pelo da corrida. O esporte é muito importante na minha vida e percebo que será ainda mais importante daqui para frente”, ressalta Cipó, que também joga tênis e faz caminhadas.

Aos 59 anos, Cipó vê a São Silvestre como uma grande festa (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

“O esporte significa muita coisa na minha vida. Já fui fumante, e agora corro, jogo bola, ando de bicicleta… a saúde que interessa. Então, todo ano, faço questão de correr”, destaca Zanelato, que completa 63 anos um dia antes da maior prova de rua da América Latina.

A prática de correr já faz parte de suas vidas e se depender deles, continuará assim daqui para frente: “Já falei para as minhas filhas que quando for a prova de número 100, eu vou estar com 70 anos, e vou querer correr com certeza”, conclui Zanelato.