Segundo cientistas de Cambridge, no Reino Unido, cortar certos alimentos do seu prato pode frear o crescimento de tumores. São as comidas que contêm o aminoácido asparagina. Se o nome te fez pensar em aspargos, saiba que seu palpite está meio certo. ‘Meio’ porque a asparagina existe em diversos alimentos – incluindo aves e frutos do mar.

(luchezar/iStock)

O estudo, realizado pelo Cancer Research UK Cambridge Institute, usou camundongos com um tipo agressivo de câncer de mama, já em estado de metástase – quando o câncer começa a se espalhar por todo o corpo. Normalmente, os bichinhos morreriam em cerca de duas semanas. Mas, quando eles começaram a receber uma dieta com pouca asparagina (ou substâncias para bloquear esse aminoácido), a evolução do tumor ficou muito mais lenta.

“Foi uma mudança muito grande. Os cânceres tornaram-se difíceis até mesmo de localizar”, disse o professor Greg Hannon, um dos responsáveis pelo estudo, à rede inglesa BBC. “Alguns tipos de câncer podem estar ligados a certos componentes da nossa dieta”, acredita ele.

Mas calma, ninguém precisa cortar o aspargo (e todos os outros alimentos que contenham asparagina) da dieta. Por dois motivos. Primeiro, o estudo foi realizado em ratos, e não há qualquer garantia de que o resultado em humanos vá ser o mesmo. Segundo, porque a asparagina nem sempre age da mesma forma. Na leucemia linfoide aguda, um tipo de câncer que afeta as células-tronco, ela é benéfica: ajuda a frear a evolução da doença.