Fundada em 2015 pelos engenheiros Wang Long Li, 32 anos, e Robert A. Paauwe, 29, a Tinybots desenvolve robôs para a área da saúde. Com escritórios em Nijmegen e Roterdã, na Holanda, a companhia recebeu um aporte inicial de €20 mil da aceleradora Rockstart no ano passado.

Tessa: robô ajuda pessoas de idade (Foto: Reprodução)

O modelo de negócio da Tinybots é baseado em assinaturas anuais para familiares, centros médicos e cuidadores profissionais. O preço da diária será de €1. Hoje, mais de 120 robôs estão em teste na Holanda. Ainda neste ano, a primeira versão deve ser liberada para os primeiros 200 clientes da lista de espera da empresa.

O simpático robô, que você pode conhecer logo acima, é capaz:

Responder perguntas. Com reconhecimento de voz e bancos de palavras, o robô interage com os pacientes e responde a perguntas simples, como “qual o horário de tomar o remédio?”

De ser simpático. No lugar de materiais metálicos, a Tessa usa acabamento em madeira, tecido e flores de plástico. O objetivo é causar sentimentos de confiança e familiaridade, sobretudo entre os idosos

Tessa: robô tem alerta especial para a hora das medicações (Foto: Divulgação)

Cantar músicas. Familiares e cuidadores podem acessar um aplicativo na nuvem para agendar lembretes e mensagens. Também é possível criar playlists com as canções favoritas dos pacientes.

Lembrar coisas. O sistema pode ser configurado para ajudar pessoas com autismo e síndrome de Down. Nesses casos, os lembretes de voz são ligados à organização de rotinas individuais