A Prefeitura de Hortolândia fará, neste sábado (07), arrastão de combate ao mosquito Aedes aegypti nas ruas do Jardim Amanda. Agentes de controle de endemias passarão nas casas, orientando moradores sobre como prevenir a proliferação do mosquito, causador de doenças como Dengue, Chikungunya e Zika. Além disso, haverá recolhimento de materiais inservíveis e que podem acumular água, representando perigo por servirem de criadouro para o Aedes. As ações de combate ao mosquito causador de doenças é atribuição da UVZ (Unidade de Vigilância e Zoonoses). Neste ano, Hortolândia registra um caso positivo de Dengue. Não há confirmação de casos de Chikungynia ou Zika.

Para conscientizar a população sobre a importância de manter casas, quintais e terrenos livres de criadouros do Aedes aegypti, a Prefeitura lançou, em 2017, a Agenda Verde, ação que envolve diversas atividades, como a Operação Cata-Bagulho e o plantio de árvores em terrenos antes ocupados por lixo, tudo com o objetivo de deixar a cidade mais limpa. Além de colaborar com a manutenção urbana, a Agenda Verde busca despertar na população o sentimento de parceria, uma vez que todos são responsáveis pela limpeza da cidade. A Prefeitura acredita que, mobilizando a população, será mais fácil resolver, em conjunto, questões ambientais que se tornam problemas de saúde pública, como estas doenças.

[metaslider id=270]

Teste rápido

As unidades de saúde do município já contam com os testes rápidos para diagnóstico de Dengue, Chikungunya e Zika. A Prefeitura de Hortolândia recebeu 12 mil testes rápidos enviados pelo Ministério da Saúde e fez a distribuição dos kits com pipeta para amostra de sangue e líquido reagente entre as USFs (Unidades de Saúde da Família), as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e o Hospital Municipal Mário Covas. Pacientes com sintomas suspeitos há mais de seis dias que procurarem as unidades de saúde serão indicados para o exame, com solicitação médica.

Com uma gota de sangue será possível saber, em 20 minutos, se a pessoa tem uma destas doenças, o que agiliza o tratamento e recuperação do paciente, além de nortear a necessidade de investigar outras patologias, caso o teste rápido dê resultado negativo. Até então, pacientes com suspeita de Dengue, Chikungunya e Zika tinham a doença confirmada ou descartada por meio de exame de sangue convencional, o que demorava, pelo menos, oito dias para ficar pronto. Mesmo com a realização do teste rápido, o exame de sangue continuará a ser realizado.