A Panasonic anunciou esta semana que têm planos de desenvolver baterias para carros elétricos sem usar cobalto. Com preços em alta no mercado internacional, o metal é hoje matéria prima fundamental para a produção do componente.

SEDE DA PANASONIC. A COMPANHIA PRETENDE SE BLINDAR CONTRA A ESCALADA NOS PREÇOS DO COBALTO SUBSTITUINDO O METAL POR OUTROS METAIS NAS BATERIAS ELÉTRICAS PARA CARROS. (FOTO: TOMOHIRO OHSUMI/BLOOMBERG VIA GETTY IMAGES)

A Panasonic é a única  fornecedora de células de bateria para o Modelo 3 da montadora norte-americana Tesla, do bilionário Elon Musk.

Assim como outras de suas principais concorrentes, a companhia já vinha trabalhando na redução do percentual do cobalto usado na produção de baterias de íons de lítio. A preocupação não é apenas com os preços atuais do metal. Mas também com os preços futuros. Com a esperada expansão da produção de carros elétricos nos próximos anos, o cobalto tende a se tornar ainda mais raro e caro no mercado. Um dos metais usados para substituí-lo é o níquel.

“Já reduzimos substancialmente o uso de cobalto”, afirmou Kenji Tamura, chefe da área de baterias da Panasonic à Reuters. “Nosso objetivo é alcançar índice zero em um futuro próximo, e o desenvolvimento está em andamento”.