DestaqueEsportesNotícias

Dominada por africanos, São Silvestre chega à 94ª edição

A Corrida Internacional de São Silvestre acontece nesta segunda-feira, a partir das 8h20 (de Brasília) com a categoria cadeirantes.

A Corrida Internacional de São Silvestre chega à 94ª edição nesta segunda-feira. Dominada por africanos, a prova de rua mais tradicional do País segue sendo um dos maiores desafios para os corredores brasileiros, que não cruzam a linha de chegada na capital paulista em primeiro lugar desde 2010, quando Marilson Gomes dos Santos ficou com o título no masculino.

Esther Kakuri, entrevista coletiva com os atletas de elite da 94ª São Silvestre, Hotel Jaraguá, São Paulo SP, 29/12/2018, Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

“Hoje em dia temos um grupo muito grande de africanos indo para a prova. Não sei se antigamente era assim também, não tenho esses dados. Têm vindo caras muito bons, nós temos caras bons também, mas há uma diferença e vamos procurar tirar essa diferença esse ano”, disse Ederson Vilela, que foi o melhor atleta brasileiro da última São Silvestre ao chegar em 12º lugar.

Na categoria feminina o jejum de vitórias de uma atleta da casa é ainda maior. A última vez que uma mulher brasileira venceu a São Silvestre acontece há mais de 11 anos. Em 2006, Lucélia Peres completou os 15km em 51min24s e acabou conquistando a medalha de ouro. No ano passado, a melhor anfitriã foi Joziane Cardoso, que cruzou a linha de chegada em décimo lugar e está bastante esperançosa por um resultado ainda melhor em 2018.

“Os africanos são bons, privilegiados por terem nascido em um lugar fantástico, treinando a dois, três mil metros de altura. Esse convívio com a altitude, para eles, é normal. Para nós, brasileiros, temos que sair daqui e treinar em outro lugar. Sem contar a genética. Nós temos o futebol, e eles nasceram para correr. Mas, não é impossível, podemos brigar, sim, com eles”, afirmou Joziane.

Quem aparenta a mesma confiança é Andreia Hassel. A atleta do Esporte Clube Pinheiros venceu a Maratona Internacional de São Paulo neste ano e chegou em 20º na Maratona de Frankfurt. Apesar da força dos quenianos e etíopes, a brasileira não abre mão de sonhar ao menos por um lugar no pódio.

“Sempre a São Silvestre é algo grandioso, né? Acho que para todo brasileiro a esperança de subir no pódio é muito grande. Estamos trabalhando bastante para que isso aconteça, mas sabemos que as estrangeiras são muito fortes. De qualquer maneira, os brasileiros também estão fortes”, completou.

Andréia Hessel, Wellington Bezerra, Joziane Cardoso, Gilmar Lopes, entrevista coletiva com os atletas de elite da 94ª São Silvestre, Hotel Jaraguá, São Paulo SP, 29/12/2018, Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

A Corrida Internacional de São Silvestre acontece nesta segunda-feira, a partir das 8h20 (de Brasília) com a categoria cadeirantes. Às 8h40, as mulheres entram em ação. Já às 9h é a vez dos homens iniciarem a disputa pelo título da prova de rua mais tradicional do Brasil.

Fonte
Gazeta Esportiva.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cresta WhatsApp Chat
Send via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios