DestaquesNotíciasOpinião

ESG, do despertar da relevância ao desenvolvimento no mercado: o que o investidor precisa saber hoje

Instituições como Constellation, Fama, JGP e XP explicam por que o assunto entrou no radar, os riscos envolvidos e a forma de acesso do investidor

Num artigo famoso escrito em 1970, o professor Milton Friedman, ganhador do Nobel de economia em 1976, afirmava que a responsabilidade social das empresas era aumentar seu lucro.

Um dos trechos dizia: “Existe uma e somente uma responsabilidade social do negócio – usar seus recursos e engajar-se em atividades designadas para aumentar seus lucros contanto que permaneça dentro das regras do jogo”.

Garantir a adequação a padrões ambientais, sociais e de governança corporativa, por essa lógica, seria responsabilidade dos governos e dos reguladores.

Um número cada vez maior de investidores discorda da tese de Friedman – e acredita que empresas e investidores têm um papel importante em criar e promover negócios sustentáveis.

E uma parcela crescente tem tentado levar a sério esses critérios, agrupados na sigla ESG (melhores práticas ambientais, sociais e de governança) em suas escolhas de investimentos.

O desafio é transformar a teoria em realidade e garantir instrumentos para medir – e fiscalizar – esses indicadores no dia a dia das companhias.

De olho em esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, o InfoMoney conversou com gestores envolvidos diretamente na temática ESG, de instituições como Constellation, Fama, JGP e XP. Confira a seguir suas avaliações.

Por que o tema ganhou relevância?

Para Marta Pinheiro, sócia e diretora de ESG da XP Inc., a conjuntura atual tem sido decisiva para as discussões sobre o tema. Com debates muito mais avançados no exterior, com um desenvolvimento especialmente nos mercados europeu, americano e até japonês, a pandemia de coronavírus foi determinante para acelerar o processo no Brasil.

“O contexto do Covid trouxe finalmente, infeliz ou felizmente, a comprovação de algumas teses. Vimos uma preocupação muito grande sobre como as empresas estavam lidando com esses grandes riscos, afinal, ESG é uma visão de risco/retorno, sobre como uma empresa consegue atuar mitigando riscos para garantir sua sustentabilidade para o futuro. E empresas com maior consciência se saíram melhor.”

No caso do S, de social, diz a diretora, a XP entendeu que poderia excluir algumas barreiras do seu dia a dia, com um número muito maior de funcionários em home office, com uma atuação mais digital que facilitaria, inclusive, a maior diversidade da equipe e, consequentemente, sua política de inclusão.

“É um exemplo pequeno, mas que ilustra quem já estava mais desenvolvido em questões como essa.”

Fabio Alperowitch, da Fama Investimentos, chama atenção para uma preocupação desde a infância na sociedade europeia com questões ambientais e sociais.

Com a ascendência americana sobre o Brasil, o gestor avalia que apenas quando o assunto começou a ganhar relevância nos EUA é que se refletiu nas discussões nacionais. E a associação incide sobre a eleição do presidente Donald Trump, com movimentos antagonistas ao político, conhecido por um tom negacionista, levando o debate dos temas ESG para o centro das discussões.

“No Brasil, aconteceu a mesma coisa. Não se falava de questões ambientais nos principais jornais até bem pouco tempo atrás, o que mudou quando a mídia buscou antagonizar com Bolsonaro, falando mais de questões socioambientais, de diversidade e meio ambiente”, aponta.

Eventos recentes também impulsionaram o debate, como a tragédia em Brumadinho envolvendo a Vale, o crescimento dos incêndios na Amazônia e o vazamento de óleo na costa brasileira, com destaque, claro, para a pandemia de coronavírus.

O posicionamento adotado por Larry Fink, principal executivo da BlackRock, alertando sobre a importância das mudanças climáticas nas finanças globais e incorporando mudanças no processo de gestão, foi importante para reforçar as discussões do ponto de vista prático, destaca Alperowitch. Mas foi o novo contexto o ponto mais relevante para o debate se estabelecer.

O risco de ser apenas “pop”

Diferentemente dos chamados “fundos verdes” do passado, os gestores não acreditam que a nova onda ESG terá prazo para acabar.

Isso porque o debate de fato parece estar sendo incorporado pela sociedade, ainda que possa levar certo tempo para ser adotado na prática pelo mercado financeiro.

“Parece que a ficha caiu”, diz Florian Bartunek, da Constellation, enfatizando que as discussões vão muito além da temática ambiental, com questões como a desigualdade ganhando ênfase na crise, assim como as raciais com os protestos recentes desencadeados nos Estados Unidos.

Marta tem visão parecida e faz menção aos retornos gerados pela incorporação dos preceitos no mercado financeiro.

“Quem conseguiu entender como o ESG funciona, como ele contribui, que ele leva a melhores retornos e a melhores escolhas de investimento, não vai voltar atrás. Mas acho que ainda existe uma jornada para levar o tema mais longe, com informações, conteúdo e transparência por parte das empresas”, assinala. “Tem um caminho para isso se solidificar.”

Alperowitch, contudo, faz uma ressalva sobre as razões por trás do crescente interesse dos grandes investidores. Ele avalia que existem hoje três “caixinhas” para classificar os participantes do mercado financeiro em relação aos critérios ESG.

A primeira inclui a parcela que pretende começar a levar a questão em consideração em seu dia a dia. O segundo grupo abarca profissionais que não veem importância no tema, consideram as discussões um exagero e não pretendem mudar. E a terceira “caixinha” abrange a fatia do mercado atenta ao potencial de lançar produtos endereçados à temática ESG, com um objetivo mais comercial que “ideológico”.

“Infelizmente a grande maioria está no último grupo. Se a questão é incorporada da maneira errada, o risco é ficar superficial. No passado, os fundos verdes eram tão de nicho que sequer viraram uma classe de ativos e foram esquecidos. Agora o risco é o contrário: de o tema virar super comum, mas cair na superficialidade.”

Como o ESG pode ser implementado pelo mercado financeiro?

Os critérios ESG têm feito parte cada vez mais de um número maior de instituições financeiras. “Não tenho uma reunião com clientes hoje dia em que o tópico ESG não apareça”, afirmou Leda Braga, fundadora e CEO da Systematica Investments, na Expert XP.

Algumas casas buscam oferecer aos investidores produtos segmentados, enquanto outras filtram as escolhas de maneira mais ampla.

“O produto ESG é uma gota no oceano. O grande papel que a gente tem é a integração ESG. Pegar tudo que fazemos e analisar com uma lupa”, afirmou Rubens Henriques, CEO da Itaú Asset, em conferência com jornalistas ao fim de julho.

Na ocasião, o executivo disse que a gestora estava de olho no mercado internacional para poder oferecer no Brasil produtos ESG via ETFs e por meio de um fundo de fundos.

Bartunek, da Constellation, diz que adotar o ESG na gestão se traduziu em ter novas perguntas para as companhias, refazer contas e alterar as notas de cada uma dentro da seleção.

“Tem empresas A e B muito parecidas em termos de upside, porém a empresa A com nota ESG maior, o que significa menos risco de médio e longo prazo”, diz. “No dia a dia, é mais um critério para colocar na balança e, em alguns casos, pode ser excludente.”

A gestora JGP é uma das que decidiram enfrentar o desafio ESG. A casa publicou sua primeira carta sobre o assunto em julho, em que detalhou como estava começando a analisar as empresas seguindo os critérios ESG.

A gestora está fazendo um extenso levantamento com cerca de 90 empresas brasileiras, que inclui o envio de um questionário de 100 perguntas com o objetivo de medir aspectos qualitativos e quantitativos – do uso de recursos hídricos e o nível de emissão de CO2 à remuneração dos executivos e ao relacionamento com funcionários, clientes e fornecedores.

“É um processo e não vai ficar 100% do dia para a noite”, afirma Márcio Correia, sócio e gestor responsável pelos fundos de ações da JGP. “Sei que vamos receber informações de pouca qualidade e algumas até falsas. Mas estamos criando maneiras de checá-las.”

Uma dessas maneiras é usar a equipe de análise de dados da JGP para cruzar informações e fazer comparações entre empresas de um mesmo setor. Isso pode ajudar a identificar discrepâncias: por exemplo, se uma empresa tem um nível de emissões significativamente inferior à média do setor, pode ser um sinal de que algo está errado.

A gestora também pretende trabalhar com consultorias externas para checar informações.

A XP, por sua vez, lançou em agosto o fundo Trend ESG Global Dólar FIM, o terceiro da empresa que busca acessar veículos que investem em empresas internacionais reconhecidas por suas práticas de responsabilidade social, ambiental e de governança.

O produto é um fundo indexado, com exposição cambial, que faz investimentos em três outros fundos de índices (ETFs) negociados na bolsa americana, com as principais ações de empresas aderentes às práticas de ESG fora do país.

Exclusão: a última alternativa?

Não é nada fácil acompanhar o cumprimento de metas de ESG pelas empresas nem nos produtos que estão em crescimento nesse mercado.

Alperowitch, da Fama, defende a gestão apenas ativa nesse segmento, tanto no Brasil quanto no exterior. E sustenta a exclusão de grandes empresas da carteira, como Petrobras, Vale e JBS, o que significa se descolar do Ibovespa, dado seu peso sobre o índice. A Fama tem mais de 40 companhias excluídas do portfólio por ESG.

Já Constellation e JGP não planejam vetar empresas que não atendam a certos critérios, mas trabalhar em conjunto para ajudar as companhias interessadas em evoluir nos padrões ESG.

“O investidor, muitas vezes, tem força para influenciar mudanças. É bom ter um fundo azucrinando”, afirma Correia, da JGP. “Não vejo um negócio que não tenha de investir para melhorar.”

A temática também deve ser vista como uma jornada ao investidor, diz Bartunek.

“Acho que é um erro para o investidor não familiarizado entrar com os dois pés. É um tema importante e ele não pode entrar oportunisticamente”, alerta, assinalando que fundos de fundos podem ser uma melhor opção nesse início de jornada.


Quer ter sua imunidade alta em todos os momentos? Então, não pode faltar um Transfer Factor Plus no seu dia!

A Informação é Tudo

Aumente o QI do seu sistema imunológico com Transfer Factor Zinco! Ele pode ser seu AGORA. Entre em nosso site e garanta JÁ! Compre aqui: https://brazil.4life.com/10895434
#programaempresarioemfoco 📽️😏 🎙️ 🕵️🏆

Suplemento com registro na ANVISA 672210001. Compre aqui: https://brazil.4life.com/10895434

Fonte
Por Beatriz Cutait, Giuliana Napolitano
Tags
Mostre mais

Artigos relacionados

Fechar