Em dia de recorde de mortes, Pazuello pede cuidados preventivos individuais

Anunciou 138 milhões de doses, considerando Pfizer e Janssen, a partir de maio deste ano

No dia em que o Brasil atingiu o maior número de registros de mortes por covid-19 em apenas 24 horas, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, divulgou nas redes sociais 1 vídeo em que pediu às pessoas para continuarem mantendo os “cuidados preventivos individuais”. Nesta 4ª feira (3.mar.2021), a pasta confirmou 1.910 óbitos pela doença.

O vídeo, com 1 minuto e 28 segundos traz Pazuello falando rapidamente sobre as mortes, lamentando as vidas perdidas. Logo em seguida, ele afirma que o governo está trabalhando para adquirir novas doses de vacinas, para ampliar a imunização pelo país.

O ministro citou as negociações para a compra de 138 milhões de doses das vacinas dos laboratórios Pfizes e Janssen. “Estamos trabalhando forte para que, até o final deste ano, os maiores de 18 anos que puderem ser vacinados, sejam vacinados”., disse, sem definir quem pode ser, de fato, vacinado.

Ele disse que, antes do Projeto de Lei aprovado pelo Congresso no dia anterior, existiam “impeditivos legais” para adquirir as vacinas.

Em edição extra do Diário Oficial da União nesta 4ª feira dispensou licitação para compra de 100 milhões de doses da vacina da Pfizer e 38 milhões de doses da Janssen. Eis a íntegra (3 MB).

SEM DETALHES
Ao falar sobre os tais cuidados preventivos, Pazuello não citou quais seriam os indicados. Especialistas defendem o uso de máscaras de proteção individual, distanciamento social e, em casos extremos, lockdowns, como os que Estados anunciaram nas últimas semanas.

Assista ao pronunciamento na íntegra (1min28s):

Horas antes de divulgar o vídeo, o ministro da Saúde foi fotografado em reunião sem máscara de proteção.

DIA DIFÍCIL

O ministro também afirmou que “hoje é um dia difícil para todos os brasileiros” e que “atingimos um grave momento da pandemia”.

Nesta 4ª feira, o país atingiu o pico de mortes confirmadas em 1 dia: 1.910. A média móvel de vítimas também está no patamar mais elevado desde o início da pandemia (1.331).

Fonte: Poder 360.

%d blogueiros gostam disto: