8 de julho de 2024 18:52
O Supremo Tribunal de Justiça de Israel decidiu por 9-0 na terça-feira que o governo deve convocar homens ultraortodoxos para o serviço militar.

Na sua decisão unânime, o painel de nove juízes considerou a situação actual inconstitucional e acusou o governo de “minar seriamente o Estado de direito”.

O Supremo Tribunal de Justiça de Israel decidiu por 9-0 na terça-feira que o governo deve convocar homens ultraortodoxos para o serviço militar.

“O Supremo Tribunal decidiu por unanimidade que neste momento não existe um quadro jurídico que permita distinguir entre estudantes das yeshivá e outros” no que diz respeito ao serviço militar obrigatório, afirmou a decisão de duas páginas do painel de nove juízes. Como tal, o Estado não tem autoridade para impedir o seu alistamento, continuou.

Além disso, como não existe nenhum mecanismo legal para apoiar a sua isenção do serviço, “não é possível continuar a transferir fundos de apoio às yeshivá e kollels para estudantes que não receberam isenção ou cujo serviço militar não foi adiado”, afirma a decisão.

O tribunal classificou como “inconstitucional” o atual esquema de isenção, pelo qual os estudantes da yeshivá recebem adiamentos temporários até atingirem a idade de isenção do serviço.

O documento conclui acusando o governo de “minar gravemente o Estado de direito e o princípio segundo o qual todos os indivíduos são iguais perante a lei”, ao continuar a atrasar o alistamento de homens ultraortodoxos.

Os peticionários argumentaram que o estado deveria começar a recrutar estudantes da yeshivá porque a lei que os isentava do serviço obrigatório expirou no ano passado. O representante do governo solicitou que o tribunal rejeitasse as petições e, em vez disso, permitisse que o Knesset continuasse o processo legislativo rumo a uma solução, mas o tribunal recusou.

Os ultraortodoxos de Israel consideram o serviço militar uma distração do estudo da Torá e uma ameaça ao seu modo de vida. No entanto, o ataque do Hamas em 7 de Outubro e a guerra que se seguiu aumentaram as exigências do público em geral para que os haredim contribuíssem com a sua parte para a defesa da nação.

O projeto de lei de alistamento atualmente em tramitação no Knesset reflete a tentativa do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de encontrar uma fórmula acordada com os partidos ultraortodoxos (Shas e Judaísmo da Torá Unida), que ameaçaram renunciar ao governo se a massa de haredi os alunos da yeshivá são convocados.

Os partidos haredi constituíram durante anos o elemento mais estável do bloco de direita de Netanyahu, sendo a sua constância conquistada pela disponibilidade do primeiro-ministro em continuar a financiar os seus seminários e a proporcionar outros benefícios. Segundo relatos, os líderes políticos haredi disseram a Netanyahu que se ele aprovar uma lei com a qual eles não concordam, abandonarão o seu governo, mas que se for o tribunal a impor uma solução, eles irão apoiá-lo.

A decisão de terça-feira surge na sequência de uma audiência controversa ontem no Comité dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, onde os legisladores debateram o projeto de lei de alistamento de Netanyahu (originalmente apresentado pelo chefe do Partido da Unidade Nacional, Benny Gantz, no governo anterior).

Fonte: JNS.

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading