21 de maio de 2024 07:39
Após a guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, o Ocidente impôs uma série de sanções a Moscou com o objetivo de levar o presidente russo Vladimir Putin à mesa de negociações.

Após a guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, o Ocidente impôs uma série de sanções a Moscou com o objetivo de levar o presidente russo Vladimir Putin à mesa de negociações. Mas, em vez das almejadas negociações de paz, apenas a fonte de energia barata russa secou, razão pela qual os europeus foram rapidamente tomados pela sensação de que eles próprios sofreriam muito mais com as sanções.

O aumento acentuado dos preços da energia e dos alimentos não deixou quase ninguém ileso, e é por isso que os políticos tomaram uma grande variedade de medidas para combater esse problema. No entanto, as críticas às sanções não diminuíram até hoje.

Os críticos ignoram o fato de que o ar na Rússia já está em chamas. Porque, enquanto as pessoas na Europa podem congelar um pouco no próximo inverno, a população russa está enfrentando um destino muito mais severo. Mas isso não significa que as críticas às sanções sejam injustificadas, porque Putin só tem uma saída agora: destruir o sistema monetário fiduciário global com uma bomba nuclear estratégica, como descreveu Alasdair Macleod.

Juntamente com os sauditas, os russos estão elevando os preços do petróleo e do diesel. Bem a tempo para o inverno que se aproxima, eles estão disparando a próxima salva na guerra energética. Os preços do óleo para aquecimento subiram quase 50% em termos de dólares no último trimestre.

Mas isso prejudica Putin mais do que os europeus. Porque enquanto as pessoas na Europa estão passando frio por causa dos preços altos, as pessoas na Rússia estão morrendo de frio. Elas não podem mais pagar pelo aquecimento devido à constante queda no valor do rublo, diz Macleod.

Entre setembro do ano passado e o final de julho, o preço do petróleo em dólares aumentou 4%, de 78,72 para 81,72 dólares. Ao mesmo tempo, o preço do petróleo na Rússia aumentou 59%, de 4.707 para 7.500 rublos. A guerra energética de Putin, em resposta às sanções ocidentais, tem, portanto, um efeito bumerangue, atingindo tanto o rublo quanto a própria população russa.

Esse efeito negativo inevitavelmente levará a uma situação em que, se a Rússia assumir o controle total da Ucrânia, Putin não entrará para os livros de história como Pedro, o Grande, mas como o destruidor do rublo.

O Kremlin está ciente desse problema e é por isso que uma nova moeda lastreada em ouro para os BRICS foi colocada em jogo. No entanto, a coisa toda fracassou por causa da China e da Índia, explica Macleod.

Mas isso não significa que o assunto esteja fora de cogitação para a Rússia, muito pelo contrário. Completamente independente dos BRICS, a Rússia pode introduzir um padrão-ouro para o rublo, o que colocaria os outros estados-membros em uma situação difícil.

A Rússia está na posição confortável de ter um déficit orçamentário de apenas 5% do PIB este ano, apesar dos altos gastos militares, e a dívida nacional em si é administrável em apenas 20% do PIB.

O padrão-ouro garantiria que o poder de compra do dinheiro em circulação estivesse sujeito apenas a pequenas flutuações. O que isso significa na realidade pode ser visto no preço do petróleo.

Enquanto em 1991 se pagava 20 dólares por barril, atualmente esse valor é de pouco menos de 100 dólares. Se você pagasse pelo seu barril de petróleo naquela época em Gold, precisaria de apenas 2,03 gramas, enquanto hoje são apenas 1,41 gramas.

É exatamente por aí que a Rússia planeja começar, porque isso dá a Putin a maior vantagem possível.

Os poupadores receberiam um incentivo para acumular fundos em suas contas bancárias e as empresas obteriam segurança de planejamento para a lucratividade de seus investimentos. A economia ganharia velocidade com o imposto de renda fixo de 13% e o imposto corporativo de 20%, ao mesmo tempo em que se tornaria rapidamente um contrapeso econômico para a China.

Essa é a história que Putin quer registrar sobre si mesmo nos livros de história. Ela também seria mencionada ao mesmo tempo que o fim do sistema monetário fiduciário ocidental.

Porque na busca por rendimento, ninguém estaria mais interessado em manter dólares ou euros. Em vez disso, as moedas fiduciárias seriam vendidas para adquirir rublos e lucrar com as taxas de juros do banco central russo. Os proprietários de ouro também estariam muito interessados em depositar seus ativos na Rússia porque receberiam juros sobre seu ouro com ouro.

Há apenas um obstáculo em tudo isso, que poderia fazer com que o esquema fracassasse: a confiança.

Como Macleod escreve, não deve ser o próprio banco central o encarregado de emitir e resgatar as notas de rublo. Para isso, é necessária uma nova instituição a ser fundada. Além disso, as reservas de ouro também devem ser armazenadas aqui e as taxas de juros devem ser determinadas. Pois a história dos padrões ouro mostrou que o mercado define as taxas de juros e não a política monetária.

Com reservas oficiais de ouro de 2.031 toneladas e de 7.000 a 9.000 toneladas em dois fundos estatais, a Rússia tem um bom ponto de partida para combater as dúvidas iniciais sobre o padrão ouro.

Os bancos comerciais conectados ao sistema de pagamento russo SPFS podem abrir uma conta com a autoridade emissora comprando ouro nos mercados internacionais a uma taxa de juros inferior a 2%, como é de praxe para o ouro.

Com uma taxa básica de 12%, o retorno anual para os compradores de ouro seria de 10% em ouro. Dessa forma, os estoques de ouro aumentam rapidamente e a confiança é estabelecida, explica Macleod.

Somente o Ocidente permanecerá fechado ao rublo-ouro devido às sanções, enquanto os sauditas e os chineses provavelmente seguirão o exemplo rapidamente.

Tornar-se-ia muito pouco atraente para a Rússia aceitar o pagamento de entregas de commodities em moedas FIAT. Para impor novas condições de pagamento, Putin tem um trunfo na manga, pois a Rússia assumirá a presidência do BRICS a partir de janeiro.

Como consequência dessa mudança, a inflação dos preços da energia em moedas fiduciárias deixaria o Ocidente sem fôlego – inflação baixa, taxas de juros baixas e estabilidade serão apenas notícias de ontem.

Putin não terá escolha, pois Moscou precisa estabilizar o rublo, como o presidente russo exigiu ontem mesmo. Caso contrário, ele incorrerá no descontentamento da população e não entrará para a história como esperado. A introdução de um padrão-ouro é viável e seria um sucesso para todos, enquanto as moedas fiduciárias do Ocidente implodem, diz Macleod.

Fonte: Investing.com

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading