23 de abril de 2024 05:10

O presidente da Argentina, Javier Milei, dirige-se a apoiadores da varanda da Casa Rosada, enquanto sua irmã Karina Milei e sua companheira Fatima Florez observam, após sua cerimônia de posse, em Buenos Aires, Argentina, 10 de dezembro de 2023. REUTERS/Agustin Marcarian/File Photo Acquire Direitos de licenciamento

Os mercados financeiros da Argentina tiveram um início tonto na era Javier Milei nesta segunda-feira, enquanto esperavam impacientemente que o novo presidente iniciasse sua prometida terapia de choque econômico com uma enorme desvalorização do peso.

Os mercados financeiros da Argentina tiveram um início tonto na era Javier Milei nesta segunda-feira, enquanto esperavam impacientemente que o novo presidente iniciasse sua prometida terapia de choque econômico com uma enorme desvalorização do peso.

O economista radical tomou posse no domingo com um aviso no seu discurso inaugural de que não tinha alternativa senão um choque fiscal agudo e doloroso para resolver os desafios “titânicos” do país.

Milei prometeu cortes profundos nos gastos públicos, mas a sua tarefa parece assustadora com a hiperinflação e a recessão iminentes e as reservas do governo completamente esgotadas.

O discurso do homem de 53 anos no domingo foi leve em detalhes, mas reiterou que haveria um ajuste fiscal equivalente a 5% do PIB através de cortes que recairiam sobre “o Estado e não sobre o setor privado”.

Os investidores estão agora à espera que o plano seja concretizado e para ver a rapidez com que ele se move. Um porta-voz do governo disse que medidas importantes seriam apresentadas na terça-feira pelo novo ministro da Economia, Luis Caputo.

Isso pareceu irritar os mercados de ações. A empresa petrolífera do país, YPF, apagou os seus ganhos iniciais e caiu 3,4%.

Bancos como Grupo Supervielle, Banco Macro, Banco Bbva Argentina e Grupo Financiero Galicia caíram entre 2,9% e 5,3%, enquanto o ETF Global X Argentina da MSCI caiu 1,6%.

Os títulos internacionais da Argentina denominados em dólares, que subiram cerca de 25% desde que Milei assumiu a presidência no mês passado, também caíram, mas o foco estava principalmente no peso e em quando e quão grande será sua tão esperada desvalorização.

Graham Stock, da BlueBay Asset Management, disse que, após uma série de reportagens recentes na imprensa local, ele esperava que o valor fosse reduzido para cerca de 650 por dólar, de cerca de 360 ​​agora, enquanto analistas do Morgan Stanley previam 700 por dólar.

O discurso “de ontem foi para mostrar, mas agora ele (Milei) precisa começar a trabalhar duro para governar”, disse Stock. “Somos cautelosos e construtivos a partir daqui”, acrescentou. “Mas vamos ver quais são as medidas políticas.”

As medidas do governo envolverão um grande corte nas despesas fiscais, mas também um aumento nos gastos sociais, disse o porta-voz presidencial Manuel Adorni numa conferência de imprensa, reflectindo o desafio que Milei enfrenta para evitar a agitação social.

BOMBA DE DÍVIDA

Com a grande decisão de desvalorização ainda pendente, o banco central enfraqueceu a taxa oficial do peso em modestos 0,55%, deixando-a em 366,10 por dólar.

Uma forma de os locais e internacionais negociarem o peso no fim de semana foi nos mercados de criptomoedas 24 horas por dia, embora em volumes minúsculos em comparação com os mercados de câmbio tradicionais.

O peso estava em 42.025 por bitcoin, de acordo com o site da exchange de criptomoedas Binance, embora tenha caído da mínima de 44.862 observada no domingo.

O Tether – outra criptomoeda atrelada ao dólar americano – estava sendo negociado a 1.019,7 pesos, em comparação com cerca de 980 pesos após a vitória eleitoral de Milei, três semanas atrás.

No seu discurso, Milei destacou a necessidade de abordar a “bomba da dívida” do seu país.

A Argentina, inadimplente em série, deve mais de US$ 4 bilhões ao Fundo Monetário Internacional e aos credores do setor privado até o final de janeiro e US$ 90 bilhões e US$ 25 bilhões em pagamentos de dívida em moeda local e estrangeira, respectivamente, para 2024 como um todo, calcula o JPMorgan.

As ações listadas nos EUA e na Europa, conhecidas como “recibos de depósito”, subiram em sua maioria, com a YPF subindo 2,3% nas negociações de pré-mercado nos EUA e subindo 1,2% na Europa

“O problema é que a maioria das pessoas que votaram em Milei não votaram nele por causa da transformação económica, mas porque odiavam os outros”, disse Viktor Szabo, gestor de carteiras de mercados emergentes da Abrdn.

“Você pode ganhar tempo com o mercado se fizer os barulhos certos, mas você tem uma população que nos últimos 50 anos se acostumou com o peronismo, então será difícil explicar a eles que há dificuldades por vir.”

Fonte: Reuters.

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading