15 de abril de 2024 23:03
Os geólogos descobriram reservas naturais de hidrogénio, abrindo a porta a uma fonte de energia limpa e sustentável, com potencial para alimentar a nossa civilização durante vários séculos.

Os geólogos descobriram reservas naturais de hidrogénio, abrindo a porta a uma fonte de energia limpa e sustentável, com potencial para alimentar a nossa civilização durante vários séculos.

O hidrogênio é há muito considerado um combustível do futuro, mas produzi-lo em larga escala tem sido um desafio.

Agora, um novo estudo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) afirma que existem reservas naturais de hidrogênio presas no subsolo que poderiam ser suficientes para abastecer toda a nossa civilização durante séculos.

Reservas de hidrogênio natural

O estudo, apresentado na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), descobriu que existem até 5,5 mil milhões de toneladas de hidrogênio armazenadas em reservatórios subterrâneos em todo o mundo. Esse valor equivale a 100 vezes a quantidade de energia consumida atualmente no mundo a cada ano.

As reservas naturais de hidrogênio são encontradas principalmente em rochas sedimentares em profundidades de até 3 quilômetros. As áreas com maior potencial incluem a América do Norte, a Europa Oriental, o Médio Oriente e o Norte de África.

O hidrogênio é uma das grandes promessas para aliviar a crise energética e ajudar-nos a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Nos últimos anos, os geólogos têm descoberto reservas naturais de hidrogénio em todo o mundo.

Este mês foi descoberto como a mina de cromite Bulqizë, na Albânia, consegue produzir mais de 200 toneladas de hidrogênio por ano.

Extração de hidrogênio

O hidrogênio é um dos combustíveis mais estimulantes de que dispomos para combater as emissões de CO₂. Com ele, os aviões, trens ou carros do futuro poderão ser movidos, mas nem todas as formas de extração de hidrogênio são igualmente limpas e econômicas, por isso é preciso prestar muita atenção ao sobrenome que carregam.

Tipos de hidrogênio

Entre os tipos de hidrogênio produzidos, o mais comum é o cinza, que é extraído com gás natural e que, segundo os pesquisadores, é o que mais emite CO₂.

O hidrogênio marrom é extraído usando linhita, uma lenhite, enquanto o hidrogênio preto é usado pela hulha, uma hulha de cor mais escura. Tanto o hidrogênio marrom como o preto emitem quantidades significativas de CO₂ no seu processo de produção.

Há também o famoso hidrogênio azul, um dos mais citados como solução nesta luta pela procura de combustíveis sustentáveis. Este tipo de hidrogênio é extraído pelos mesmos métodos dos anteriores, mas neste caso o CO₂ é capturado e armazenado no subsolo. Embora o armazenamento de CO₂ tenha um custo, o preço final é relativamente barato.

Além do hidrogênio geológico, o outro hidrogênio que não gera emissões na sua obtenção é o hidrogênio verde. Para produzir hidrogênio verde, utiliza-se energia renovável que não gera qualquer tipo de emissões prejudiciais ao ambiente. Atualmente existem muitos métodos para obtê-lo que utilizam eletrolisadores de nova geração, mais baratos e eficientes.

“Apesar da abundância de hidrogênio descoberto e da diversidade de tipos encontrados, a maior parte deste recurso provavelmente será inacessível”, disse Ellis em entrevista ao Financial Times. “No entanto, mesmo com uma pequena percentagem de recuperação, teríamos a capacidade para atender à demanda projetada de 500 milhões de toneladas por ano durante vários séculos.”

Perspectivas futuras

O potencial do hidrogênio como combustível do futuro é reforçado por essa descoberta, marcando o início de uma nova era em que a energia limpa e sustentável pode ser uma realidade alcançável para toda a humanidade. Com um compromisso contínuo com a inovação e a pesquisa, podemos aproveitar plenamente estas reservas naturais de hidrogénio e criar um futuro mais verde e próspero para as gerações vindouras.

Fonte: Yurima Celdrán/Meteored Espanha.

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading