23 de abril de 2024 05:43
O deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) discursou nesta terça-feira (12), em frente ao Congresso dos Estados Unidos, em Washington, e denunciou o que ele chamou “de graves retrocessos” que o Brasil estaria vivenciando em sua democracia, liberdade e Estado de Direito.

O deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) discursou nesta terça-feira (12), em frente ao Congresso dos Estados Unidos, em Washington, e denunciou o que ele chamou “de graves retrocessos” que o Brasil estaria vivenciando em sua democracia, liberdade e Estado de Direito. Nas redes sociais, o político disse que o mundo agora sabe que “o Brasil vive uma ditadura”.

Ao lado de uma comitiva composta por diversos parlamentares de oposição, o deputado federal relatou o que tem acontecido no Brasil nos últimos anos, incluindo a Operação Lava Jato e a condenação do hoje presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na sequência, o parlamentar falou sobre o Inquérito das Fake News e disse que ele tem sido utilizado para perseguição.

– O número de pessoas criminalmente processadas, ou devo dizer mais precisamente, perseguidas pelo ministro Moraes [relator do inquérito] e pelo STF chega a milhares de brasileiros atualmente – disse van Hattem.

O deputado ainda contestou a condução das ações sobre o 8 de janeiro na Suprema Corte e lembrou da morte do empresário Cleriston da Cunha, o Clezão, que já possuía um parecer favorável da Procuradoria-Geral da República (PGR) para ser liberado da prisão, mas que mesmo assim ficou mais de 10 meses detido provisoriamente até falecer.

Marcel encerrou dizendo que, para ele, o Brasil vive “uma ditadura em desenvolvimento” e que não é surpresa que o presidente Lula seja aliado de ditadores como Xi Jinping, na China; Nicolás Maduro, na Venezuela; Vladimir Putin, da Rússia; e até o grupo terrorista Hamas, que teceu diversos elogios ao petista após ele critica Israel pela guerra na Faixa de Gaza.

– Diferente de todas as ditaduras, a que estamos vivendo no Brasil, no entanto, é construída de uma forma mais sutil e perigosa. O próprio sistema judicial está liderando a ruptura institucional, o que torna mais difícil para o mundo entender o triste e perigoso processo – completou.

Fonte: Pleno News

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading