15 de junho de 2024 23:53
Em meio a uma guerra regional, o regime teocrático iraniano terá pouco tempo para encontrar um candidato de consenso, enfrentando disputas internas e desconfianças entre religiosos e militares.

Em meio a uma guerra regional, o regime teocrático iraniano terá pouco tempo para encontrar um candidato de consenso, enfrentando disputas internas e desconfianças entre religiosos e militares.

Três anos atrás, quando Ebrahim Raisi assumiu a presidência em uma eleição manipulada, alguns iranianos acreditaram que isso seria um passo para uma posição mais elevada. Com Ali Khamenei, o líder supremo envelhecido e doente, próximo da morte, Raisi esperava substituí-lo. No entanto, a história tomou um rumo inesperado. Em vez de catapultá-lo ao cargo mais alto do Irã, sua presidência lhe custou a vida.

Em 19 de maio, retornando de uma visita ao Azerbaijão onde inaugurou uma represa na fronteira, Raisi teve seu helicóptero perdido em uma região montanhosa a 86 km ao nordeste de Tabriz. Inicialmente, as autoridades minimizaram a situação, afirmando que o helicóptero fez um “pouso forçado” e que Raisi seguiu de carro para Tabriz. Contudo, horas depois, esses relatos foram deletados e a televisão estatal começou a transmitir orações pelo presidente. Na manhã de 20 de maio, a mídia estatal confirmou a morte de Raisi e do ministro das Relações Exteriores, Hossein Amirabdollahian, que também estava no helicóptero.

Embora Raisi fosse uma figura decorativa, sua morte abalará profundamente a política iraniana, forçando o regime a encontrar rapidamente um novo presidente em meio a uma guerra regional e uma economia em crise. A morte de Raisi também pode desestabilizar a disputa pela sucessão de Khamenei, removendo um dos principais candidatos ao cargo de líder supremo.

Ainda não se sabe ao certo o que causou o acidente do helicóptero de Raisi, com a versão oficial atribuindo o incidente ao mau tempo. No entanto, muitos iranianos especulam sobre explicações mais sinistras, dada a longa lista de inimigos internos de Raisi. Há também suspeitas sobre um possível envolvimento de Israel, embora essa hipótese seja improvável, dado que assassinar um chefe de Estado seria um ato de guerra que Israel provavelmente evitaria.

Poucos iranianos lamentarão a morte de Raisi, lembrado como o “juiz da forca” e pela sua incompetência na gestão econômica. A constituição iraniana estabelece um processo claro para a sucessão presidencial, com novas eleições devendo ocorrer dentro de 50 dias, e o vice-presidente Muhammad Mokhber assumindo interinamente. O Conselho de Guardiães decidirá os candidatos elegíveis, mas é provável que a teocracia consiga suprimir qualquer protesto público.

Raisi era um candidato de consenso ideal para o regime, mas sua morte deixa uma lacuna difícil de preencher. A Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) parece estar em ascensão, mas assumir a presidência diretamente pode não ser do seu interesse, dado o descontentamento público com a situação econômica.

A sucessão mais importante no Irã ainda está por vir, com Khamenei, de 85 anos, perto do fim de sua vida. Antes da morte de Raisi, os principais candidatos à sucessão eram Mojtaba, filho de Khamenei, e Raisi. Com Raisi fora do caminho, Mojtaba tem um caminho mais claro para o cargo, possivelmente dependendo da IRGC para consolidar seu poder, o que pode transformar o Irã em um regime mais militarizado e ainda mais antagonista externamente.

Os próximos dias serão de grande tensão para o regime teocrático do Irã, que terá que encontrar um novo presidente rapidamente, em meio a especulações sobre a possível orquestração do acidente de helicóptero por interesses políticos internos.

Fonte: Terra Brasil Notícias.

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading