16 de junho de 2024 03:05

Junho terá chuvas menos volumosas e temperaturas mais quentes do que a média. O padrão se mantém durante todo o inverno, podendo ocasionar veranicos.

A tendência climática para Junho é de chuvas menos volumosas e temperaturas mais quentes que a média.

A tendência climática para Junho é de chuvas menos volumosas e temperaturas mais quentes que a média. O padrão também se mantém durante os meses seguintes e pode ocasionar veranicos durante o inverno.

Com a aproximação do Inverno e a formação iminente de um novo La Niña, uma das primeiras perguntas que nos vêm à mente é se o fenômeno irá influenciar o clima de Junho de alguma maneira, especialmente após os cenários climáticos extremos presenciados em Estados como o Rio Grande do Sul.

O fato é que, na primeira quinzena de Junho, o clima vai se manter bastante seco, com chuvas pouco volumosas na maior parte do país – exceto no litoral nordestino e extremo norte, onde as chuvas volumosas continuam. Essa é uma notícia excelente para a população gaúcha, que sofreu com chuvas intensas no último mês.

Além disso, embora frentes frias consigam fazer as temperaturas caírem durante alguns dias no Sul e no Sudeste, tudo indica que os termômetros vão marcar temperaturas mais quentes que o normal para essa época do ano em praticamente todo o país.

Mas, será que esse padrão vai se manter ao longo de todo o mês de Junho? E quanto ao inverno, que começa oficialmente no dia 20? Para responder a essa questão, vamos observar e analisar alguns dos fenômenos climáticos mais importantes e também as previsões numéricas de longo prazo.

Temperatura da Superfície do Oceano e La Niña

No Oceano Pacífico Equatorial, é possível perceber a formação de uma grande região com temperaturas superficiais mais frias do que o normal – o que marca o início da formação de um evento de La Niña.

Mapa de previsão de anomalia da temperatura da superfície dos oceanos para o próximo trimestre.

Entre os impactos que um evento de La Niña pode causar, estão:

  • Região Sul: Secas severas.
  • Região Sudeste: Possíveis secas, com baixa previsibilidade.
  • Região Centro-Oeste: Possíveis secas, com baixa previsibilidade.
  • Região Nordeste: Aumento na precipitação e vazão de rios.
  • Região Norte: Aumento na precipitação e vazão de rios.

No entanto, o fenômeno ainda não se configurou de verdade – ainda vai levar algum tempo para isso acontecer. Por isso, o La Niña ainda não deve influenciar o clima brasileiro durante o Inverno – mas com certeza será um fator importante a ser observado durante o próximo verão.

Mapa de previsão de probabilidades de El Niño e La Niña para os próximos trimestres indica que o fenômeno vai se configurar na segunda metade de 2024.

Mesmo sem influência direta do La Niña, há outros fenômenos em jogo que devem auxiliar na formação de um clima mais seco durante o mês de Junho, como a Oscilação Antártica e a Oscilação de Madden-Julian – que, já na primeira quinzena do mês, ajudam a deixar o clima no Brasil mais seco que o normal.

Anomalias de chuva previstas para Junho

Esse panorama se reflete nas previsões dos modelos numéricos, que indicam volumes de chuva mais baixos que o normal em praticamente todo o Brasil durante o mês de Junho – padrão que também se mantém durante os meses seguintes, Julho e Agosto.

Previsão de anomalia de chuva do modelo ECMWF para o trimestre Junho-Julho-Agosto.

A exceção são duas regiões: o Nordeste, onde as chuvas continuarão volumosas nas regiões litorâneas; e o extremo norte do país, incluindo os Estados de Roraima e Amapá, onde as pancadas de chuva permanecem mais frequentes do que o normal durante o mês de Junho.

Anomalias de temperatura previstas para Junho

Além disso, num geral, os modelos numéricos estão indicando temperaturas acima da média em grande parte do Brasil, padrão que deve se manter consistente ao longo de todo o Inverno. Em outras palavras, tudo indica que Junho será um mês mais quente do que o normal.

Previsão de anomalia de temperatura do modelo ECMWF para o trimestre Junho-Julho-Agosto.

Entretanto, isso não quer dizer que não haverá dias mais frios ao longo do mês. Frentes frias ainda podem avançar pelo país e causar quedas bruscas de temperatura, especialmente no Sul e no Sudeste.

Mas ainda assim, na média, tudo indica que o clima estará pelo menos 2ºC mais quente que o normal em algumas regiões, o que sinaliza inclusive a possibilidade de ocorrência de Veranicos – que são períodos de estiagem acompanhados por calor intenso, forte insolação e baixa umidade relativa em pleno inverno.

EM RESUMO, o clima de Junho será mais seco do que o normal na maior parte do país, com acumulados de chuva abaixo da média – exceto no litoral nordestino e extremo norte do Brasil – além de apresentar temperaturas, em média, mais quentes do que o normal em todo o país, com possibilidade de ocorrência de Veranicos.

Como a situação ainda pode mudar bastante ao longo dos próximos meses – especialmente devido à evolução do La Niña.

Fonte: tempo.com

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading