16 de junho de 2024 03:29
Um estudo conduzido pela MindMiners, envolvendo 500 participantes de todas as classes ABC revelou que 18% dos entrevistados não estão dando conta de cobrir todas as despesas básicas.

Um estudo conduzido pela MindMiners, envolvendo 500 participantes de todas as classes ABC e regiões do Brasil, revelou que 18% dos entrevistados acreditam que seus rendimentos não são adequados para cobrir todas as despesas básicas. Para atender às suas necessidades, 63% das famílias direcionaram até mesmo suas economias para a alimentação.

A questão de se o salário do brasileiro é suficiente para cobrir todas as suas despesas básicas parece sempre ter uma resposta muito distante da realidade. Com o objetivo de entender melhor a situação, a MindMiners conduziu uma pesquisa com 500 participantes, todos com mais de 18 anos, pertencentes às classes ABC e de todas as regiões do país. Segundo os dados coletados, 18% dos entrevistados afirmaram que o salário não é suficiente nem para cobrir as necessidades básicas.

Neste cenário de insuficiência, 20% afirmaram que pagam apenas as contas básicas, sem sobrar dinheiro para outros gastos. 36% conseguem cobrir as despesas financeiras e apenas 26% conseguem quitar todas as dívidas. Diante desta realidade, mais de 50% dos entrevistados buscaram uma atividade extra no último ano para complementar a renda familiar.

Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor da Multimarcas Consórcios, explica que um dos motivos para os brasileiros manterem as contas em dia é o cenário econômico nacional: “A instabilidade econômica do país é o agente dificultador de um padrão de vida financeira saudável para o cidadão comum. A alta inadimplência deve-se à situação dos salários baixos e desemprego elevado”.

A pesquisa também mostrou que 63% dos gastos das famílias foram destinados à alimentação, 42%, à moradia, 31%, à saúde, 25%, ao transporte e 21%, com gastos de comunicação (planos de telefonia, internet, TV etc).

Em relação às economias, dois terços dos entrevistados (66%) guardam dinheiro, enquanto o restante declarou o seguinte: 34% não guardam dinheiro, 29% preferem utilizar a poupança, 29% mantêm o dinheiro na conta-corrente, 24% realizam algum tipo de investimento, com destaque para o gênero masculino, 8% mantêm dinheiro guardado em casa e apenas 5% optam por guardar dinheiro por meio de previdência privada.

Lamounier explica que este tipo de comportamento retrata a grande fase desafiadora dos brasileiros ao tentar suprir necessidades essenciais e, claro, garantir de alguma forma uma renda extra para a aposentadoria: “A consciência de gastos e o planejamento para realização de grandes projetos beneficia não apenas o detentor do dinheiro, mas todos ao seu redor. Identificar os pontos de melhoria, analisar o mercado e traçar os objetivos é o básico para o planejamento financeiro”.

A instrução em educação financeira deveria ser matéria obrigatória nas escolas, desde o estágio fundamental da educação infantil. 70% dos entrevistados concordam com esta teoria. O interesse por educação financeira é notório, quando 60% dos entrevistados sinalizaram que querem aprender e participar de cursos específicos. 37% dos entrevistados afirmaram ter facilidade em entender e explorar opções de investimentos para aumentar a renda.

Por fim, Lamounier oferece dicas sobre como sair do vermelho e começar, mesmo que de forma tímida, a poupar e ter uma renda emergencial ou extra. São elas:

• Analise suas finanças: muitos brasileiros possuem o hábito de fazer rodízio de contas, ou seja, escolher qual dívida irá pagar no mês, o que acaba comprometendo o orçamento em longo prazo. Para que isso não ocorra é necessário mapear a renda total e organizar as despesas fixas e variáveis, dívidas e pagamentos. A análise inicial faz com que o consumidor visualize o panorama da sua realidade financeira.

• Planeje suas despesas: com o orçamento mapeado, o próximo passo é inserir em seu planejamento regras que ajudem a manter a organização. Uma delas é a 50%, 30% e 20%, sendo 50% para gastos fixos, 30% para gastos variáveis e 20% para investimentos ou fundo de reserva, que visa priorizar as despesas mais importantes.

• Faça uma reserva de emergência: criar uma reserva emergencial é fundamental para uma vida financeira equilibrada. A economia fornece tranquilidade psicológica, pois funciona como um seguro que pode ser utilizado para cobrir despesas inesperadas, principalmente em épocas de grandes gastos.

• Evite parcelamentos: o uso do cartão de crédito é um meio de pagamento, frequentemente utilizado pelos brasileiros, no entanto, este deve ser usado com cautela para que o acúmulo de parcelas não pesem o valor da fatura. Diante disso, é preferível que o consumidor realize compras à vista como uma forma de manter o orçamento organizado e evitar possíveis problemas no futuro.

• Estabeleça metas: o estabelecimento de metas e objetivos ajudam a manter o planejamento financeiro anual ativo. Além disso, auxiliam no cotidiano e fazem com que o consumidor não realize gastos por impulsos.

Fonte: Terra Brasil Notícias.

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading