15 de abril de 2024 13:40
A Suprema Corte do estado de Michigan, nos Estados Unidos, rejeitou uma tentativa de remover o ex-presidente Donald Trump da votação de 2024 com base na “proibição insurrecionalista” da Constituição dos EUA.

A Suprema Corte do estado de Michigan, nos Estados Unidos, rejeitou uma tentativa de remover o ex-presidente Donald Trump da votação de 2024 com base na “proibição insurrecionalista” da Constituição dos EUA.

O resultado, que era geralmente esperado, contrasta com a recente decisão do Supremo Tribunal do Colorado, que determinou que Trump não poderia disputar as primárias devido ao seu papel na invasão ao Capitólio em 6 de janeiro. A decisão foi suspensa, mas ainda cabe um recurso.

Com estas decisões divergentes, os esperados recursos para o Supremo Tribunal dos EUA tornam-se ainda mais críticos, especialmente à medida que o país se aproxima das primárias de 2024.

Ao contrário do Colorado, o processo de Michigan não foi a julgamento e foi arquivado no início do processo. Um tribunal intermediário de apelações manteve a decisão de arquivar o caso por motivos processuais.

O juiz do Tribunal de Reivindicações de Michigan que recebeu o caso disse que a lei estadual não dá às autoridades eleitorais qualquer margem de manobra para policiar a elegibilidade dos candidatos às primárias presidenciais. Ele também disse que o caso levantava uma questão política que não deveria ser decidida nos tribunais.

A sua decisão foi mantida pelo Tribunal de Apelações do Michigan, que afirmou: “Neste momento, o único evento prestes a ocorrer são as eleições primárias presidenciais. Mas, conforme explicado, o fato de Trump ser desqualificado é irrelevante para sua colocação naquela votação específica.”

A ordem da Suprema Corte de Michigan não foi assinada e o tribunal não divulgou a contagem dos votos.

Ao contrário do Colorado, os tribunais do Michigan rejeitaram o caso inteiramente por motivos processuais, não avaliando se o dia 6 de janeiro foi uma insurreição e se Trump se envolveu nela.

Um dos juízes de Michigan escreveu na quarta-feira (27) por que a corte do estado agiu diferentemente do Colorado.

Os adversários anti-Trump “não identificaram nenhuma disposição análoga na Lei Eleitoral de Michigan que exija que alguém que pretenda o cargo de Presidente dos Estados Unidos ateste a sua qualificação legal para ocupar o cargo”, escreveu a juíza Elizabeth Welch, comparando o código eleitoral de Michigan com o do Colorado.

Ratificada após a Guerra Civil, a 14ª Emenda diz que os funcionários que prestam juramento de defender a Constituição são banidos de futuros cargos caso “se envolvam numa insurreição”.

A disposição foi usada para desqualificar milhares de ex-confederados. Mas só foi aplicado duas vezes desde 1919, e a redação vaga não menciona a presidência.

A ação judicial de Michigan foi movida em setembro por uma organização de defesa, a Free Speech For People, em nome de um grupo de eleitores.

O processo também buscou uma contestação malsucedida da 14ª Emenda contra Trump em Minnesota, e recentemente abriu um novo caso em Oregon. O processo no Colorado foi iniciado por um grupo separado de tendência liberal.

Fonte: Terra Brasil Notícias

About Author

Queremos ouvir você, deixe seu comentário, será um prazer respondê-lo.

Descubra mais sobre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading